sábado, 12 de janeiro de 2013

Mergulho na Escuridão - um livro simplesmente espetacular

Caros amigos, meu post de hoje é dedicado a um dos melhores livros que li em toda a minha vida, que acabo de concluir. Mergulho na Escuridão de Robert Kurson, pela editora Landscape, descreve toda a aventura e a profunda pesquisa realizada pelos mergulhadores John Chatterton e Richie Kohler na descoberta do submarino U-869.

O livro não descreve simplesmente toda a aventura de descoberta dos mergulhadores com o lendário Bill Nagle, mas Kurson preocupou-se em acima de tudo descrever detalhes riquíssimos desta modalidade dentro do mergulho, bem como detalhes sobre os submarinos e da tripulação do U-869.

Robert Kurson alterna momentos em que detalha tecnicamente o mergulho em naufrágios, como também as histórias da Segunda Guerra Mundial em volta dos submarinos e seus tripulantes, bem como histórias dos principais mergulhadores que durante anos estiveram envolvidos nas viagens até o ponto onde o até então U-Who encontrava-se naufragado. Algumas histórias não são tão belas assim. Houveram sim mortes de 05 mergulhadores, momentos de tensão ao se depararem com esqueleto de submarinistas dentro destes cemitérios da Guerra.

Chatterton, o descobridor da identidade do U-869 é uma lenda do mergulho. Pois além de ser um dos maiores mergulhadores de naufrágios do mundo, também foi pioneiro na pesquisa de identificação deles e um dos primeiros a utilizar o Trimix, uma mistura gasosa contendo percentuais de oxigênio, hélio e nitrogênio. John Chatterton iniciou o uso do Trimix nas expedições dos U-869, pois havia descoberto que esta mistura poderia resolver os problemas de narcose, uma vez que o U-boat encontra-se a 70 metros de profundidade. Neste nível de profundidade com o uso da tradicional mistura utilizada por mergulhadores os efeitos da narcose são muito fortes causando a perda de visibilidade, além de interferir no uso dos demais sentidos, o que pode provocar sua morte rapidamente, como ocorreu em algumas das expedições.

Kohler e Chatterton já são uma grande referência para mim não apenas no mergulho, mas como pesquisadores científicos, pois todo o cuidado em investigar os detalhes, a história das embarcações da Segunda Guerra, as visitas aos departamentos responsáveis pelas documentações e registros históricos, a visita ao Museu da Ciência e Indústria de Chicago, o qual tive o prazer de conhecer, e a atenção por lá aos detalhes de um U-boat. E um detalhe importante, ambos não cursaram faculdade até então, e são mais cientistas, pesquisadores do que muitos que passam anos dentro de uma universidade.

A única baixa sobre o livro diz respeito a editora. Apesar do trabalho árduo para fazer a revisão de uma publicação, esta deixa bem a desejar, pois além de muitos erros de digitação, muitos detalhes técnicos estão errados, para dar um exemplo, a orelha do livro descreve o naufrágio descoberto a 690 metros de profundidade.

Este foi o segundo livro sobre naufrágios que li. Sobre o primeiro você poderá ler um pouco no post que fiz sobre O Último Mergulho, livro que conta sobre os Rouse, pai e filho que morreram justamente no mesmo naufrágio, durante uma das expedições para a pesquisa de identificação do submarino.

O fantástico para mim sobre a leitura deste livro, se deve ao fato de eu recentemente ter concluído o meu curso de Wreck Dive, pois ele me trouxe uma outra visão sobre as técnicas, cuidados que se deve tomar e todo o universo da exploração dos naufrágios. Se você tem alguma curiosidade ou interesse em realizar este tipo de curso, eu recomendo que você leia este livro, pois o nível de detalhes técnicos será importante para que você tome todos os cuidados desde o seu check-out até outros mergulhos recreativos que você realizar em embarcações afundadas. Lembre-se que o litoral brasileiro é repleto destes santuários de vida marinha.

Por um lado, ler Mergulho na Escuridão antes do curso poderia prejudicar a minha conexão com a história tão bem narrada por Robert Kurson, cuja metodologia de pesquisa relatada no último capítulo servirá de inspiração para eu sistematizar como será o processo de investigação para o meu mestrado em História da Ciência que começarei agora em 2013. Por outro lado, me traria muitas informações antes do check-out que realizei em outubro de 2012 no Pinguino, em Ilha Grande - Angra dos Reis/RJ (em breve escreverei um post sobre o curso de naufrágio descrevendo a aventura). Mas tudo tem seu tempo e sua hora. Antes desta aventura eu havia lido O Último Mergulho e creio que paguei um preço por ter fixado alguns medos em minha mente atrapalhando mergulhos como o que fiz na Laje de Santos como já relatei aqui no blog. Mas ao mesmo tempo avalio que hoje, passado o batismo, ter feito a prova teórica, e ter lido dois livros que tratam sobre o assunto, com absoluta certeza estarei muito mais bem preparado para retornar ao Pinguino em março deste ano como estou planejando e poder não apenas curtir a beleza das espécies marinhas que por lá estão, como também aproveitar para apurar as técnicas observando muito mais os detalhes que deixei passar antes, bem como, me preparar melhor anteriormente, pois o segredo para este tipo de mergulho depende do nível de informações que você coleta e estuda sobre a embarcação.

Outra coisa que me atraiu muito nesta leitura tem uma grande conexão familiar. Meu bisavô Johannes Guggenberger, saiu do Brasil para lutar na Segunda Guerra Mundial pela Alemanha. Este fato causou uma série de feridas na família que infelizmente não possibilitaram que eu fosse criado mais intensamente dentro dos costumes alemães. Hoje digo que sou um alemão de meia tigela pois tenho a cidadania mas não sei falar uma palavra sequer. Logo, ao conhecer as histórias da guerra é como se eu estivesse sendo transportado para momentos em que meu bisavô possa ter vivido durante o conflito. E o ponto mais forte desta conexão se deve ao fato de que um sobrinho do vô Hans, foi capitão de um U-Boat, o U-513, Friederich Guggenberger, que está afundado na costa brasileira, mais precisamente no litoral de Santa Catarina e que foi descoberto pela família Schurmann. Esta é uma das razões que têm me atraído ao universo do mergulho, não sei se isso é uma conexão espiritual ou algo que está no sub-consciente.

Enfim, um livro obrigatório dentro da sua biblioteca particular, mas cuidado, ele não foi mais editado, portanto você dificilmente encontrará algum exemplar novo. Eu o comprei em um sebo por meio do site Estante Virtual, uma espécie de Buscapé de Sebos por todo o Brasil.

Espero que tenham gostado deste post e estejam intrigados pela leitura.

Até a próxima!!!


 Ilustração do U-869

John Chatterton e Richie Kohler responsáveis pela descoberta do U-869

 Robert Kurson, autor do livro

O lendário Bill Nagle

Capitão Friederich Guggenberger



Nenhum comentário:

Postar um comentário